sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Tatuagens podem ajudar a identificar homem queimado dentro de bueiro

IMl informou que vítima possui dois nomes tatuados, em Goiânia.
Ele morreu após sofrer queimaduras de 2º e 3º graus em 90% do corpo.

Homem é encontrado em chamas dentro de bueiro em Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)


A Polícia Técnico-Científica não identificou, até as 7 horas da manhã desta quinta-feira (27), quem é o homem encontrado em chamas dentro de um bueiro do Setor Real Conquista, em Goiânia. No entanto, tatuagens podem ajudar a identificar a vítima, que tinha escrito no corpo os nomes Nicole e Vinícius. Com mais de 90% do corpo atingido por queimaduras de 2º e 3º graus, ele morreu em uma unidade de saúde, após ser socorrido, na quarta-feira.


A Polícia Civil começou a investigar o caso e agentes estiveram na UPA para checar as condições em que o homem chegou ao hospital. A polícia trabalha com duas linhas de investigação: homicídio e suicídio. O morador que o encontrou, que não quis se identificar, acredita que vítima foi jogada no bueiro. “Alguém jogou ele aí e tacou fogo”, opina.

Chocado com a crueldade do caso, o morador relata a agonia da vítima: “O que ele falava o tempo todo era assim: ‘me tira daqui gente, por favor, me tira daqui’”.
A testemunha lembra que, ao olhar para o buraco, viu as pernas da vítima do lado de fora da tubulação, em chamas, e tentou apagar o fogo. “Eu só vi que estava gemendo uma pessoa lá. Aí eu fui lá e vi ele. Vi que tinha um homem lá pegando fogo, voltei pra trás de imediato, peguei uma vasilha com água, joguei e apagou o fogo”, afirma.
Depois de ser resgatado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e pela Polícia Militar, a vítima foi levada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Setor Residencial Itaipu. “O paciente chegou aqui na unidade ainda consciente, deu poucas informações, mas logo em seguida se agravou e não resistiu aos ferimentos e queimaduras”, afirma a médica Yanna Castro.
Ainda consciente, ele disse o nome aos policiais, mas não explicou o que aconteceu. Não foram encontrados documentos de identificação com o homem. A Polícia Militar não tem informações de quem seria o autor do crime. Nenhum familiar procurou o homem no IML.