segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

ROGER MARX

Roger Marx
Roger Marx é um tatuador paulista, nascido em 1980. Com 20 anos de idade, abandonou a faculdade e mudou-se para os Estados Unidos. Em janeiro de 2001 retornou a São Paulo, e, aos poucos, a ideia de tornar-se um tatuador profissional foi amadurecendo. Após isso, abandonou o ramo do design e ilustração para se dedicar exclusivamente a esta arte.
No ano de 2008 o tatuador abriu seu próprio estúdio de tatuagem. Roger passa alguns meses por ano em Los Angeles, trabalhando e aperfeiçoando-se em estúdios locais, mas seu endereço fixo é no Guadalupe Tattoo, localizado noNimbus Studios, em São Paulo. Roger também já tatuou pessoas famosas, como integrantes da banda Guns’n’Roses. Confira, a seguir, a entrevista que o Tattoo Tatuagem fez com o artista!
Roger MarxRoger Marx
- Por que decidiu começar a tatuar?
Porque precisava de um oficio para pagar as contas. A música, além de prazer, só me deu gastos na vida. Tentei, por 15 anos, ser músico, e sempre fui ligado ao mundo da tatuagem como admirador e colecionador de desenhos em minha pele. Mas chegou um momento em que tive que me virar, e tudo aconteceu naturalmente. Quando vi, já estava tatuando e ganhando para isso. Meu amigo Joe Klenner (dono do Inferno Club, na rua Augusta) foi quem me deu a minha primeira máquina, e, logo em seguida, comecei a fazer tatuagens em mim mesmo.
 - O que te inspira profissionalmente? Por exemplo, existe algum tema específico que você prefira tatuar?
Arte, no geral, me inspira. Desenhos, quadros, filmes, música, shows… tudo o que é relacionado à arte e suas vertentes. Acredito, também, que recebo inspirações cósmicas vindas de todos os cantos desse planeta e de outras dimensões distantes. Adoro tatuar coisas relacionadas a música também. Capas de discos, logo de banda, instrumentos etc. Também me sinto honrado quando um cliente me pede para reproduzir algum quadro de que gosto. Já fiz Van Gogh, Dali, Bosch, Basquiat, Mark Ryden, Da Vinci, Magritte e Tara Mcpherson, entre outros.
- A profissão é mais valorizada no Brasil ou no exterior?
Quem faz a profissão é o profissional. Se você realmente colocar seu sangue e amor no que está fazendo, você sempre será valorizado. Em todos os ramos existem bons e maus profissionais. No Brasil, a tatuagem cresceu muito nos últimos anos. Quando comecei a atuar, há quase dez anos, não tinha metade do material (tintas, agulhas descartáveis e máquinas) que temos hoje. E o material que existia ainda era muito mais caro e de difícil acesso. No Exterior, a variedade de materiais é muito maior do que aqui, e a mídia é muito mais forte e de qualidade (reality shows e revistas). Mesmo assim, o Brasil tem diversos tatuadores muito bons, entre os melhores do mundo, eu diria! (e que fique claro que eu não me incluo nesse grupo)
-Existe uma técnica em especial que prefira usar?
Não. Nada específico ou especial. Só existe uma forma de aprender algo: errando! Eu errei no começo, aprendi o que NÃO fazer, aprendi fazendo e observando. Tento mesclar todas as técnicas que aprendi no meu estilo. Sempre tento aprimorar observando as pessoas trabalhando (melhor ou pior do que eu). Gosto muito de trocar experiências e até mesmo de ensinar o que eu sei. Sempre aprendo quando ensino.
Roger MarxRoger Marx
 - Conte sobre o primeiro trabalho que você realizou. Em relação à expectativa, nervosismo. Como foi lidar com isso?
O primeiro trabalho foi em mim mesmo, no pé. Uma caveira de pirata. Fiz sem decalque (porque não sabia que isso existia) e pintei com a agulha de traço (também não sabia que existia agulha de pintura). Bom… ficou uma merda! Mas tenho a tatuagem até hoje. Não penso em cobri-la e me orgulho de ela ser horrivelmente tosca. Nunca fiquei nervoso para tatuar nada, mesmo no começo, quando dava errado, e eu não sabia muito o que fazer. Sempre acreditei que ia dar certo, até que uma hora começou mesmo a dar.
 -Você se encontra realizado nesse meio?
Sim! Trabalho com o que eu gosto e da forma que eu gosto! Faço meu horário, tenho abertura para viajar quando quero e ficar quanto tempo  eu quiser. Sou meu próprio chefe… o que mais posso querer? Dinheiro? Ah, ganho o suficiente para pagar meu sorriso. Poderia até ganhar mais, mas ganância é uma coisa que não tenho. Às vezes um sorriso de gratidão do cliente vale mais do que dinheiro pra mim. Gosto de ver as pessoas por aí com minhas tatuagens. Desse modo, vejo um pouco de mim nelas.
- Como foi o contato e o trabalho em pessoas famosas? Explique a diferença.
Por vir do mundo da música, conheço muita gente do meio. Meu estúdio, por exemplo, fica dentro de um estúdio de música, o Nimbus. É um estúdio grande e conhecido em São Paulo, por onde a maioria das bandas passa, seja para gravar ou ensaiar. Tatuei bastante gente famosa, como Phil Anselmo (Pantera/Down), Scott (Face to Face), Alex Laiho (Children of Bodom), Zakk Stevens (Savatage), Tracii Guns (LA Guns/Guns n’ Roses), todos da banda Faster Pussycat, Maya e Alisson (The Donnas), Jeff Rouse (Duff Mckagan’s Loaded), Alex e Moises (Krisiun), o cantor Otto, entre outros!
Roger Marx Axl Rose
Mas não costumo ir atrás de famosos assim, apenas acontece! As únicas vezes que fui atrás de alguém para tatuar, no caso, Dave Grohl (Foo Fighters, ex-Nirvana) e Axl Rose (Guns n’ Roses), não deu certo. O Axl eu cheguei a conhecer e conversar pelo menos, o Dave nem isso. Fui chamado para tatuar o Slash também nessa sua última passagem pelo Brasil, fui até o local do show (Espaço das Américas) com todas minhas tralhas, ele passou o som e veio falar comigo: disse o que queria e que talvez fosse fazer a tatuagem… daí foi atender fãs, jantar, fazer massagem e eu, bem, estou esperando até agora ele decidir!
- Qual o significado das suas tatuagens?
Tenho tatuagens que remetem a um momento, um estado. Outras, a uma fase da minha vida, a minhas crenças, e algumas não têm significado. Tento contar minha história de vida no meu corpo. Tenho desde as assinaturas dos meus pais e avos a logos das minhas bandas preferidas, passando por deuses, santos e flores! Uma mistureba…
 - Sua família te apoia?
Quando comecei a me tatuar (antes de tatuar as pessoas) meus pais não gostavam. Sempre criticaram, aliás. Mas, independentemente disso, sempre me apoiaram e nunca me recriminaram. Sempre me aceitaram como eu era, mesmo não gostando. Quando eu decidi tatuar os outros, eles foram os primeiros a me apoiar! Meu pai sempre me ajudou quando eu precisei. Uma vez fui assaltado e roubaram todos os meus equipamentos. E eu não tinha o capital para recomeçar. Daí tive que recorrer ao papai, que não pensou duas vezes em me ajudar. Agradeço muito a ele por isso, pois não conseguiria chegar aonde cheguei sem eles.
- Tem algum conselho a quem está começando a entrar nesse meio?
Sim. Primeiro: não ouça quem diz que você não é capaz ou “que não tem jeito pra coisa”. Use isso como incentivo e mostre para todo mundo o quanto eles estão errados. Uma vez, um “profeta” me disse: Só sendo louco para tatuar com você! Bom, graças a Jah, encontrei diversos loucos pelo mundo!Aliás encontrei mais loucos do que pessoas “normais”.
Já pelo lado prático, uma coisa que me ajudou muito no começo foi refazer tatuagens. Todo mundo tem amigos que têm tatuagens toscas, coisas que nem se você quiser consegue piorar. Eu aprendi muito refazendo tatuagens, aprendi como os tatuadores faziam, aprendi aplicação, sombreamento e treinei fazer linhas firmes. Não cobrava nada dos amigos, mas ganhei algo mais valioso que dinheiro: ganhei o conhecimento.
Roger Marx
 - Quais são os planos futuros? Pretende continuar no Brasil ou fixar residência no exterior?
Meus planos são tatuar cada vez mais e melhor. Evoluir como pessoa e como profissional a cada dia, ate meu último dia, seja quando for. Quero fazer intercâmbios sempre que possível, uns mais demorados que outros. Adoro conhecer outras culturas e ver o mundo, mas minha residência é e sempre será no Brasil. Amo meu país e quero melhorá-lo como posso e não abandoná-lo.
Roger MarxRoger MarxRoger MarxRoger Marx
Se você gostou da entrevista e quer saber mais sobre Roger Marx, acesse seu site e suas redes sociais (FacebookTwitterYouTube)!