sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

PESSOAS TATUADAS CONSOMEM MAIS ÁLCOOL

Pessoas tatuadas e com Piercing consomem mais álcool
De acordo com um estudo francês realizado por um especialista em comportamento, Nicolas Guéguen, da Univerdade de Bretagne-Sud, pessoas tatuadas ou com piercing têm maiores tendências a um comportamento “mais arriscado” do que pessoas sem modificação corporal.
Este estudo realizado por Guéguen e sua equipe foi publicado na revistaAlcoholism: Clinical and Experimental Research, principalmente por medir a taxa de álcool ingerido pelos participantes da pesquisa. De acordo com os dados, o consumo de álcool é maior por pessoas tatuadas. Outra especialista, Myrna Amrstrong, do Centro Científico e Sanitário da Universidade Tecnológica do Texas, afirma que pessoas tatuadas ou com piercing são consideradas “de risco”.
Pessoas tatuadas e com Piercing consomem mais álcool
Após ler e falar um pouco sobre estas “pesquisas” e afirmações, acho válido deixar o meu comentário, já que sou um editor tatuado e também consumidor de álcool.
Particularmente, estas pesquisas apontam algo conclusivo. São pesquisas com variações muito grandes, principalmente porque a forma com que é feita poderá resultar em um pré-conceito, sendo que não existe “um perfil” de pessoa tatuada, já que todo ser humano pode ser tatuado, independente de sua etnia e nacionalidade. Acho legal postar estas informações, principalmente porque são notícias da mídia que, enquanto “defende” a tatuagem, arruma matérias para “atacar” e dizer que essa arte é algo negativo. E, óbvio, um desenho não altera o caráter de ninguém.
Não é porque sou tatuado e consumo álcool que sou considerado uma pessoa “de risco”, ou porque sou tatuado que consumo mais álcool. É claro que existem “hábitos” parecidos entre pessoas tatuadas, tanto quanto existem com qualquer ser humano. E, da mesma maneira que existem tatuados que consomem álcool, há uma parcela que não consome. O meu real argumento é que algumas pesquisas influenciam pessoas sem conhecimento e que o meu “papel” é informar, mas que também devo expor a minha opinião quanto a esse conteúdo, às vezes não tão conclusiva.
Fonte: Terra